Twitter

Debate sobre divulgação da ciência viraliza no Twitter

Um ofício enviado pelo Conselho Superior da CAPES para o Ministério da Educação na última quinta-feira, 2 de agosto, alarmou a população brasileira, principalmente a comunidade científica do país. Nele estavam previstos os valores que seriam reduzidos para o próximo ano do orçamento da Instituição, cerca de 580 milhões de reais, o equivalente a 200 mil bolsas da CAPES.

O corte do orçamento está ligado à aprovação da Proposta de Lei Orçamentária (PLOA), votada em julho pelo Congresso e enviada em agosto para o Governo Federal, em que está previsto a redução de 11% dos gastos do Ministério da Educação e o congelamento do valor repassado para o Ministério. O Governo Federal terá até o dia 14 do mês para sancionar o documento ou até o dia 31 para enviar uma outra versão para votação no Congresso. A Lei afeta diretamente o apoio à produção científica em 2019, em sua maioria bolsas de mestrado e doutorado.

Ameaçados pelo corte do orçamento em suas bolsas de auxílio financeiro, pesquisadores criaram uma campanha na Web em prol da ciência usando a hashtag #existepesquisanobr. O objetivo do movimento é mostrar para as pessoas que existe produção científica no país, estudos de extrema importância para o desenvolvimento nacional e que depende dos recursos da CAPES para sua sobrevivência. A ideia é trazer a informação para fora do mundo acadêmico, de forma que a sociedade tenha conhecimento da produção científica atual, apoiando as pesquisas e ficando ao lado dos pesquisadores na luta por recursos.

Confira alguns pesquisadores que usaram a hashtag #existepesquisanobr para mostrar à sociedade que estão trabalhando em temas de extrema relevância para a sociedade:

O uso das redes sociais para a divulgação científica também fizeram sucesso no ano passado com a hashtag #MyOneScienceTweet, ou #MinhaCiênciaEmUmTweet em português.

Leia mais: #MinhaCiênciaEmUmTweet, divulgação científica e valorização da ciência.