Famelab Brasil

FameLab Brasil 2018: “maior competição de comunicação científica do mundo”

Atualização em 05 de março de 2018

Para quem se interessa por divulgação científica e sabe se comunicar bem, o FameLab Brasil 2018 é uma oportunidade única e que pode te levar para a Inglaterra!

Leia mais: O que é Divulgação Científica?

FameLab é uma competição de divulgação científica de iniciativa britânica e acontece pela terceira vez no Brasil. A competição foi lançada em 2005 pelo Festival de Ciência de Cheltenham, no Reino Unido, com o objetivo de incentivar a troca de conhecimento entre cientistas e o público em geral, valorizando e promovendo técnicas comunicativas entre os pesquisadores.

Uma novidade esse ano é que o FameLab Brasil 2018 aceitará a inscrição de pessoas que não possuem bolsa CNPQ, CONFAP/FAPS ou FAPESP. As inscrições estão abertas até o dia 28 de fevereiro foram prorrogadas até o dia 11 de março de 2018, acessando o formulário online.

Leia mais: FameLab Brasil

Os inscritos devem enviar dois vídeos nos quais divulguem um fenômeno ou processo científico de seu interesse e de relevância na vida prática social. Um vídeo deve ser em português e o outro em inglês, precisam ter no máximo 3 minutos e ter até 50 megabytes de tamanho. Segundo o regulamento do FameLab, não devem ser usados música de fundo, edição, efeitos especiais ou outras participações além do inscrito. A avaliação não levará em conta a qualidade dos vídeos e sim o conteúdo, sua clareza e o carisma dos participantes.

Os selecionados serão anunciados em 29 de março e orientados para as próximas fases, que serão presenciais. O vencedor ou vencedora irá representar o Brasil no FameLab International durante o Festival de Ciência de Cheltenham nos dias 4 a 10 de junho na Inglaterra.

Leia o edital completo do FameLab Brasil 2018 para ter acesso a todas as informações.

O FameLab é uma realização do British Council e, no Brasil, conta com a parceria do Museu do Amanhã e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).